sábado, 29 de agosto de 2009

CHEIROS DE CRIANÇA


Flores perfumadas de fragâncias variadas,
espalhadas pelos ares, agradáveis no cheirar
que vou sempre recordar...
Cheiros que me lembram coisas de criança,
quando em lençois de linho ficava a dormitar...
Cheiros espalhados pela casa a maçãs vermelhas perfumadas
a marmelada acabada de fazer, que não quero esquecer...
Cheiros a leite morno acabado de mungir,
de pão quente, acabado de cozer que pela manhã entrava pelo meu quarto
e na boca a água fazia crescer...
Cheiro a terra molhada, regada com água do poço
tirada balde a balde pelo velho tio Quim, já muito cansado
mas que ele fazia por prazer, não por dever... e a nada era obrigado...
Cheiro de roupa lavada, de uma brancura imaculada
mas se fosse muito olhada de tão branca que era
até os olhos fazia doer...
Cheiros difíceis de perder que estão na minha memória,
me enchem de saudade até não mais poder...
Cheiros da terra que me viu nascer.
Cheiros de tudo e de nada, de coisas boas e outras nem por isso
mas são cheiros da minha terra...
Cheiros de Sto. Tirso !!!

1 comentário:

lia disse...

e a mim lembram-me os cheiros de mar, pela mão do meu pai nas madrugadas da Foz, quando a malhoca da lagôa batia no casco do barco e o silêncio era definido por esses ritmos serenos.