sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Braços vazios



FOSTE A PRIMEIRA DE QUATRO...
.
Carreguei-te no meu ventre e durante nove meses a
ansiedade foi crescendo, a vontade de te conhecer era
cada vez maior.
Queria pegar-te, olhar-te, acariciar-te, amamentar-te,
dar-te todo o MEU AMOR.
.
MAS MEU DEUS QUE DOR!!
.
Arrancaram-te de mim, como quem arranca uma planta de
um jardim!
O silencio era MORTAL, não ouvi o teu choro e o medo
instalou-se no meu peito,
não sei se passaram horas ou anos, sei que fiquei só, sem certezas de nada.
Nada me era dito.
.
Vi-te dois dias depois de relance.Ainda hoje passados
tantos
anos tenho dúvidas,
se foste arrancada de mim e levada para outros,ou se
DEUS te levou MEU ANJO.
.
O tempo não apaga esta dúvida que me consome.
mas vou amar-te enquanto viver..
regressei a casa de BRAÇOS VAZIOS,
não sei para onde foste, mas vou amar-te enquanto
VIVER...

1 comentário:

Sônia disse...

Olá querida, andei longe por um momento , mas já estou voltando... Vc sempre com esses poemas lindos, adoro visitar-te. bjinho.