sexta-feira, 28 de agosto de 2009

TEMPO PERDIDO



Conheci-te num fim de tarde de Verão, há muitos muitos anos.
De menina passei a mulher, de uma grande amizade surgiu um grande amor.
Oh que felicidade! Uma confiança desmedida eu tinha em ti, tudo era permitido, até que senti no meu peito o desamor, ódio e descrença. Senti-me usada, enganada e envergonhada. Pedi desculpa pelo que fiz e pelo que não fiz, mendiguei uma migalha de amor e vi no teu rosto uma de desprezo. Um dia, há sempre um dia, acordei da ilusão que pensei ser amor. Parti as amarras que me aprisionavam, o meu EU surgiu de novo. Uma nova esperança nasceu e acreditei novamente. Quero acreditar...
Não vou pedir mais desculpa pelo que fiz e não fiz, não vou mendigar amor, e tenho orgulho no ser humano que sou. Libertei-me. Hoje sou uma nova mulher.

Sem comentários: