sexta-feira, 13 de novembro de 2009

NO INVERNO DA VIDA


Aquela Senhora de rosto sereno, cabelo da cor da neve, olhos tristes e pensativos
como a recordar a vida que dedicou aos seus sem nada cobrar.
Deu amor carinho e atenção, desprendeu-se de tudo para nada lhes recusar.
Algum agradecimento por se anular?
Não... Foi incompreendida a sua entrega desmedida. Merecia ...Ai se merecia!!!
Ter um sítio para descansar, alguém que lhe fizesse o pequeno almoço e o fosse à cama levar.
Ver um sorriso no rosto dos que ajudou a criar, uma palavra de amor e um beijar.
Que a levassem de vez em quando a passear, oferecerem-lhe um geladinho para o saborear.
E ela continua a pensar!!!
Mas o que estou eu a pensar? Eles tem a vida ocupada, num corre corre para muito ganhar
e vão-se agora lembrar.
Pensaram, pois pensaram em metê-la num lar, era um impecilho. Ela sente-se cada dia mais entristecida foi posta num canto para não estorvar. Nem quando fez anos de lembraram de a visitar.
Coitados ... têm a vida ocupada, pensa ela resignada!!!
Um dia lembraram-se de a visitar.
Lá estava ela sentada, rosto sereno, cabelo cor da neve.
Está a dormitar disseram-lhes as pessoas do lar.
Aproximaram-se dela e repararam que tinha adormecido serenamente, parecia que estava sorrindo, porque estava a ter um sonho lindo, que a vinham buscar, para a mimar.
Era tarde, o inverno para ela tinha chegado!!!

F.Campos