sábado, 11 de setembro de 2010

PORQUE SOU TUA MÃE


Sinto no meu peito, um aperto que me faz doer...
É o medo de te perder.
Transportei-te nove meses, eras o meu menino o meu benjamim.
Nas voltas e reviravoltas da vida, nem sempre fui por ti compreendida.
Mas o meu amor por ti não tem limites.
Fui aceitando todas as tuas escolhas, os teus devaneios, os teus afastamentos,
as tuas idas e vindas para o estrangeiro e as tuas indiferenças.
Sim porque eu também tenho queixas, mas no meu coração tens lugar cativo.
Se a escolha que fizeste, para te acompanhar pela vida fora foi bem ou mal feita
foste tu que a fizeste, mas para mim só tem uma coisa preciosa que é o meu neto.
Os anos que vivi acompanhada (sozinha), estive sempre presente, lúcida, lutadora, honesta.
Atenta às necessidades dos teus irmãos e das tuas que eras o mais novinho.
Fiz o melhor que sabia, remei sempre contra a maré, não sei se me entendes...
Hoje olho para traz e vejo que dentro do possível fiz um bom trabalho.
Mas sabes sinto-me cansada.
Quero muito, mas muito que estejas feliz.
Guarda um pensamento para a mulher que te deu o ser, que te ama até ao fim dos seus dias.
PORQUE SOU A TUA MÃE !!!!

F.Campos