quarta-feira, 17 de abril de 2013

DESILUSÕES

Rolam pelo meu rosto, lágrimas quentes e salgadas.
Caem dos meus olhos cansados como uma cascata de agua
escorrendo pela encosta.
Sinto que estou a  fraquejar  e mentalmente temo não conseguir
esconder o que me vai na alma.
Preciso gritar bem alto, porque sou humana.
Até os animais tem direito a se manifestarem na sua linguagem.
Não escrevo para deixar escrito, esta- me na alma e não vou falar com as paredes.
Recuso-me a perder as minhas vontades, nada nem ninguém tem o direito de me silenciar.
Preciso de alguem que me ouça, que me afague, que me respeite, que me admire não
pela beleza que não há, mas pelo ser humano que julgo ser
que me apontem os defeitos (não só os defeitos) mas algumas qualidades.
Tenho medo da vontade cada vez mais forte de desistir.

F.Campos